Por Carlos Giordano Jr.

Divirta-se com Artigos, Crônicas, Poesias e Poemas, Gastronomia e Administração.
Direitos autorais reservados

quinta-feira, 15 de novembro de 2007

Vou remando no tempo...















Por Carlos Giordano Jr

Verão de 2006


Flutuando nessa imensidão
Remava contra o que não sabia
O rio ali era de vida natural
Livre, puro e desconhecido.

Das certezas vinham dúvidas
O final está na próxima curva
A mata fechada sinaliza o rumo
Permitindo a luz daquele caminho.

Desce rio, vai para o mar...
Leva consigo meu pranto e
Arrasta minhas mágoas para o fundo
Amenizando o calor do meu sofrer.

Sigo sem pensar, pensando.
Naquilo que já encontrei
E em um suspiro, esqueci.
Que Ele sempre esteve ali.

Quero ser aquilo que devia
Na magnitude de Teu divino desejo
Encontrar-me nesse rio sombrio
Com a pureza do imaculado amor.

Esse verde escuro que fascina
Transporta-me do meu nada
A um momento de esperança
Pois a vida existe somente em Ti.

Nenhum comentário: