Por Carlos Giordano Jr.

Divirta-se com Artigos, Crônicas, Poesias e Poemas, Gastronomia e Administração.
Direitos autorais reservados

terça-feira, 15 de novembro de 2011

El hombre mas bravo del mundo!

Por Carlos Giordano Jr.

Dér Mundo era filho de uma inspetora de alunos no Sud Mennucci, templo sagrado do ensino secundário em Piracicaba. Por isso, Serginho Dér Mundo era terrivelmente perseguido pelos amigos com brincadeiras que ele mesmo as odiava.

O apelido veio disso. De tão bravo que era com as pegadinhas que nunca as aceitava, acabava brigando com tudo e com todos, e acabou levando o codinome de “El hombre mas bravo del mundo” e que abreviado virou Dér Mundo (no idioma caipiracicabano).

Dér Mundo cresceu e foi parar na Universidade. Com os amigos acabou fundando a famosa República “A Cuzada” que ficava ali na Barão de Itapura em Campinas. As festas rolavam sempre numa boa, com muita badalação e alegria.

Mas, pegar no pé de “Dér Mundo” era o deleite da moçada.

Um dia, tudo combinado e acertado com planos previamente arquitetados, resolvemos moer a cabeça de Dér Mundo. Ele chegou do centro da cidade trazendo uma linda calça jeans que comprara para sua namorada, pagando os tubos.

A calça veio embrulhadinha pra presente. Ele deixou-a em cima da mesa e foi para o banho, preparando-se para a festinha que faria pelo dia dos namorados. Abrimos com jeitinho o embrulho, e com muita safadeza, trocamos a calça por outra suja e velha que a empregada deixara na dispensa. O pacote foi refeito esperando pelo seu dono.

Não se contendo de alegria, Dér Mundo resolveu mostrar pra Galera a bela compra que tinha feito antes de sair e abrindo a caixa notou a grande diferença.

- Puta merda, trocaram a calça...Não acredito, que loja desgraçada, paguei uma puta nota e olha a droga que me puseram no embrulho.

Revoltado, Dér Mundo correu para o ponto de ônibus a alguns metros acima, na Avenida, e ali ficou espumando a boca e xingando o mundo. Simplesmente puto, revoltado com a vida.

Pegou o ônibus para ir trocar a calça. Ônibus lotado às seis da tarde. Passou em frente da A Cuzada e viu a todos nós na maior gargalhada segurando a verdadeira calça estendida.

Dér Mundo desceu do ônibus uns sete pontos avenida abaixo. Subiu a ladeira correndo e babando e perdeu a amizade com todos por muitos dias.

Tenho saudade de Dér Mundo.
Esse era realmente o cara mais bravo do mundo. Só se lascava.

Nenhum comentário: