Por Carlos Giordano Jr.

Divirta-se com Artigos, Crônicas, Poesias e Poemas, Gastronomia e Administração.
Direitos autorais reservados

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Eu amo ceviche

Por Carlos Giordano Jr.

Chegando em Lima, o desejo de correr para uma cevicheria é algo que não consigo controlar. Fico desejando sentir aquele sabor ácido e levemente adocicado do pescado curtido no limão.

O Ceviche, dizem ter a história baseada em marinheiros ingleses que chegando no Peru se fartaram com a quantidade de pescados, e que por falta de ingredientes os curtiam no limão e os comiam crus, chamando-os de SEA BEACH. Outros dizem que a origem vem da Arábia onde sibech significa comida ácida. Acho que não tem muito a ver a segunda versão, pois de Árabe o Peru não tem nada.

A comida peruana é de fortes raízes incas, incrivelmente decorativa e irresistivelmente saborosa, a comida "creolla" é de tirar bons suspiros de quem a prova. Existem influências chinesas por força da grande imigração ocorrida nos últimos 50 anos.

Em Lima existe a Calle Capón, local denominado de “barrio chino” onde a “chifa” (comida chinesa) é o prato do dia. Por todos os lados onde se ande em Lima se encontrará uma “Chifa”, ou restaurante chinês, onde invariavelmente se serve o melhor “pollo” do mundo. Eu particularmente acho horrível. Mas todos saem de suas casas para comer o tal pollo (frango) ou um especial “tacu-tacu”, uma mistura de arroz com feijão fritos com azeite e desinformados no prato com uma espécie de hambúrguer por cima, isso tudo servido nos melhores restaurantes de Lima.

É tradicional no Peru acompanhar sua comida com muita “chicha morada”, um suco de milho roxo de gosto tênue, leve e muito doce.

O Peru é o maior produtor de pescados do mundo. Banhado em toda costeira pelo Pacífico lodoso, encontra em suas turvas águas a maior quantidade de plânctons e fito planctons capazes de alimentar uma cadeia de peixes, que faz inveja ao Japão que é considerado o segundo maior produtor de peixes do mundo. Existem muitas variedades que não conheço por aqui. O mais comum é encontrar um tal “pejerey”, que parece uma pescadinha branca servida frita nas barracas na beira do mar, ao lado, infelizmente de muita sujeira. Curto muito estar ali e me refrescar com um “pisco sauer”, bebida feita com Pisco, clara em neve, limão e uma pitada de canela em pó. É a bebida oficial do Peru.

Mas o tal ceviche é de deixar qualquer um apaixonado. É considerado como patrimônio cultural do País, e para ocupar esse lugar de destaque, os “ayuntamentos” (prefeituras) certificam os melhores restaurantes com um selo de qualidade onde se diz: Aqui se come o melhor ceviche. E aí se pode confiar.
O ceviche:
Se prepara com um limão chamado “ceuti” que infelizmente não o temos por aquí e é inconfundível por sua acidez característica. Esse limão é que vai cozinhar o pescado, juntamente com alguns tantos mariscos por vinte minutos antes de ser servido com muito “ají” espécie de pimenta dedo de moça, que também não encontramos nos nossos mercados infelizmente, cebola roxinha em fatias finíssimas, “choclo” (milho com grãos enormes cozidos em água e sal), pedaços de “camote”, que é uma espécie de batata doce com cor de abóbora cozida em água, caldo de limão ceuti, e “culantro” conhecido no Brasil como coentro.

Não posso deixar de dizer que o fato de se comer o pescado cru, curtido no limão ou no suco de “naranjitas” que são como pequenas laranjas de suco bem ácido, é em função de não existir no antigo Peru, lenha para cozinhar, pois a costa peruana é caracterizada por região árida, desértica, onde árvores são vistas somente em miragens. O ceviche é tido como prato principal por excelência e por seu sabor refletir a própria identidade peruana.

O pescado simboliza a grandeza de nossas águas.
O limão a força de nosso sangue.
A cebola, a melancolia.
O ají, nossa picardia.
O milho, a riqueza de nossa terra.
E o camote, a hospitalidade de nossos corações.

Existe uma música que é quase um hino e me emociono quando a ouço. Seu refrão é assim:

Yo me llamo Peru. 
Con P de Patria 
La E de ejemplo 
La R de rifle 
La U de la Unión. 

Conheça o Peru, vá a Machu Pichu e Nasca, conheça o Museo de los Incas, compre uma Alpaca legítima bem baratinho em Miraflores, coma ceviche, tome uma chicha morada, experimente um Pisco Sauer e seja muito, mas muito feliz.

Um comentário:

Anônimo disse...

Boa noite Carlos,
Muito bacana o post, ceviche é a comida que quem ama, ama para sempre, já quem odeia...

Abs

Aurea Teodoro