Por Carlos Giordano Jr.

Divirta-se com Artigos, Crônicas, Poesias e Poemas, Gastronomia e Administração.
Direitos autorais reservados

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Vem aí o novo horário político - a revanche

Por Carlos Giordano Jr

Um dia perguntaram à Dercy Gonçalves como ela podia ser tão feliz com a vida que teve, recheada de percalços e tantas decepções, e ela dando muita risada respondeu:

- É fácil cara, sempre fui ignorante. Quando a gente é ignorante acha tudo legal, não contesta nada, não pensa.

Queria ser igual à Dercy. Pelo menos até o final das eleições. Ficaria menos chato, menos crítico. Acho que mais feliz também.

Tenho vontade de explodir minha TV no horário político e ele agora estará de volta no segundo turno para prefeito em algumas cidades.

Mas se eu fosse ignorante, estaria mais feliz, como a grande maioria, escolhendo meus candidatos junto com minha família, na segurança de nosso lar, fugindo das balas perdidas, e felizes por estarmos recebendo muitos vales brindes, cestas brindes, auxílios brindes, remédios brindes e ambulâncias brindes da política pão e circo do picadeiro Federal.

- Pra frente Brasil, salve a antiga seleção! Agora nova versão, com o Cacá e o Cabelinho de Pica-pau.

Assistam o horário político - a revanche.
É muito estimulante. Assistam que é legal. Custou 600 milhões de reais ao respeitável público, mas dizem que é gratuito.

Convide os vizinhos, os parentes, aproveitem todos juntos... façam pipoca, comam mortadela com pão. É bom também.
Queria ser mais um ignorante ou um mais ignorante, tanto faz, para votar em todos engraçados que aparecem. Seria legal.

Tem mulheres sem dentes, homens feios, levemente boçais se candidatando a serem travestidos de poderes para fazerem algo por alguém.

Às vezes me pego falando com a televisão avisando que vereador não é do executivo, mas ninguém me ouve.

Saúde, transporte, segurança e educação é o que todos prometem, só não sabem como agir. Vou votar em todos.

Plataforma política é o lugar onde o vereador pega o trem. Só pode ser.

Tem jegue elétrico na Bahia, fazendo campanha, trios com muito axé trilhando nossos horizontes a caminho de mais mentiras. Vou votar no cara do Jegue também.

Na verdade, para ser político no Brasil, basta ser ignorante também e ter o firme propósito de, obscurecendo nosso futuro com a sombra da mentira, trazer para o presente, a intenção de ver estampado no rosto do povo brasileiro a certeza de estar sendo novamente enganado.

E Lula, agora na nova versão cabo eleitoral, aposta seu maculado nome indicando outros de sua laia a se sujarem também no lamaçal do mensalão, onde o tapetinho para limpar os pés antes de entrar no lodo, está colocado na porta do ultrajado Congresso Nacional. Um verdadeiro ato de bravura, para um político que envergonha a história e a dignidade do povo brasileiro com suas mentiras também dignas de sua espetacular carreira política. Nós votamos nele também.

Ele falou tanta besteira nas oportunidades que teve em aparições públicas, e principalmente nas campanhas pagas com nosso dinheiro, que acho agora, deveria continuar pelo menos tendo alguma coragem de se defender em público aparecendo gratuitamente na minha TV, pedindo desculpas por tudo que fez de errado, chamando para si a responsabilidade da podridão como mandante, prometendo devolver aos cofres do circo, aquilo que levou com a turma do mané do Seu Dirceu. Por fim, deveria virar purpurina, como um travesti quando morre e desaparecer da nossa história. Quem sabe, meus netos, quando nascerem, irão agradecer por esse gesto.

De qualquer forma, queria muito ser ignorante para apoiar a todos nesses devaneios políticos, para compormos juntos a história recente do Brasil. Mas, se no meu futuro eu não for mais um ignorante, darei aos políticos, no máximo, meu total esquecimento.

Não perca o próximo horário político. Vai ser muito legal.

Assista esse circo e contrate depois com seu voto aquele que estará mais apto a trabalhar para nós no imenso picadeiro nacional.

Doe ouro para o Brasil!!!

Se não tiver mais, doe seu vale transporte.

Nenhum comentário: